TAP recebe dois novos Airbus A330neo em Lisboa e espera mais 10 aviões este ano

A TAP recebeu dois novos Airbus A330neo, elevando para 19 as aeronaves deste modelo na frota de longo curso, e espera mais 10 aviões de quatro modelos até ao final do ano.

TAP recebe dois novos Airbus A330neo em Lisboa e espera mais 10 aviões este ano

“A TAP recebeu, em Lisboa, mais dois novos aviões do modelo A330neo na Airbus. Os voos de entrega do Airbus A330neo CS-TUQ e do Airbus A330neo CS-TUS deslocaram-se de Toulouse, [em França], e aterraram em Lisboa ao final da tarde de sexta-feira”, indicou, em comunicado, a companhia aérea.

 

Em 2015, a transportadora previa ter 17 aeronaves de longo curso no final de 2019. Porém, “as oportunidades atrativas de expansão do mercado norte americano e brasileiro, bem como a baixa eficiência da frota antiga da TAP, levaram a companhia a antecipar a chegada dos novos aviões”, explicou.

Assim, a frota de longo curso da companhia portuguesa passou a ter 19 aeronaves deste modelo.

O Airbus A330neo incorpora a última geração de motores Rolls-Royce Trent 7.000 e uma asa de maior envergadura com otimização 3D.

 

Já a frota de médio curso conta com 56 aeronaves, 19 das quais de última geração.

Ao longo deste ano, a TAP vai ainda receber 10 aeronaves dos quatro modelos da Airbus — A320neo, A321neo, A321LR e A330neo —, esperando, até 2025, que este número ascenda a 71 aviões, acrescentam.

Na quinta-feira, a TSF noticiou que, nas últimas estatísticas, a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) revelou que, no último trimestre de 2019, os movimentos de aviões nos aeroportos cresceram cerca de 1%, abaixo dos 6% registados em igual período do ano anterior. No entanto, entre outubro e dezembro de 2019, o tráfego de passageiros cresceu 13,5%, uma “desproporcionalidade”, que traduz, sobretudo, “o efeito da alteração da frota da TAP, concretamente a introdução dos novos modelos Airbus 320neo e 321neo”, que disponibilizam mais lugares por voo, sendo ainda “mais eficientes nas operações de médio curso”.

Nos primeiros nove meses do ano passado, a TAP registou prejuízos acumulados de 111 milhões de euros que atribui a “variações cambiais sem impacto na tesouraria”, de acordo com um comunicado divulgado em novembro.