Neto, de braçadeira em riste a deixar Mathieu orgulhoso (mas sem conseguir ser a salvação da pátria)

Coates foi expulso e Neto ficou com a braçadeira, num jogo onde voltou a estar bem e a mostrar que está a ganhar espaço fora e dentro do relvado. Silas disse que o Sporting tem de ser "muito melhor".

Neto, de braçadeira em riste a deixar Mathieu orgulhoso (mas sem conseguir ser a salvação da pátria)

Se o atual momento do Sporting estivesse a assolar o FC Porto ou o Benfica, depressa se diria que os dois clubes que estão nesta altura a lutar pela conquista da Primeira Liga estariam a atravessar uma profunda crise. O Sporting não ganha fora de Alvalade há três jogos consecutivos, não termina uma primeira parte a ganhar há seis partidas seguidas e voltou a passar largos minutos a perder contra uma equipa teoricamente inferior. Mas o principal problema do Sporting não é esse: o principal problema do Sporting é que tudo isto já parece normal e está bem para lá de uma crise temporária.

 

Este sábado, contra o Rio Ave, os leões voltaram a não conseguir bater os vilacondenses — em três jogos esta temporada contra a equipa de Carlos Carvalhal, perderam dois em Alvalade e empataram em Vila do Conde — e perderam novamente o terceiro lugar da Liga para o Sp. Braga. O Sporting começou praticamente a perder, graças a um golo de Lucas Piazon logo ao segundo minuto, terminou a primeira parte sem qualquer remate enquadrado e teve de esperar pela entrada de Jovane Cabral para atirar à baliza de Kieszek e para marcar o golo do empate, numa altura em que Coates já tinha sido expulso por acumulação de cartões amarelos.

Na conferência de imprensa, Silas disse que o golo sofrido no segundo minuto “condicionou a estratégia”. “Vínhamos com uma estratégia diferente, mas ficar a perder desde cedo mudou isso. Mérito do Rio Ave que se apresentou de forma diferente, demorámos uns minutos a adaptarmo-nos e depois quando conseguimos equilibrámos o jogo. Tivemos um jogo desinspirado a nível técnico e o Rio Ave aproveitou como boa equipa que é. Depois, com 11 jogadores, arriscámos e conseguimos marcar. Do mal o menos, conseguimos levar um ponto de um jogo difícil”, explicou o treinador leonino, que garantiu ainda que o Sporting tem de ser “muito melhor”. “Temos de jogar melhor do que jogámos, foi um dia desinspirado mas não houve falta de caráter nem de atitude. Podem e devem estar mais inspirados, mas acho que é um ponto positivo a equipa não ter desistido e ter lutado até ao fim”, concluiu Silas.