Mais 300 MW de energia solar instalados nos próximos meses

Cerca de 500 milhões de dólares vão ser investidos nos próximos dois anos, em projectos de energia solar no país, no âmbito de uma estratégia de aumentar as energias limpas e de levar a electricidade a todo o território nacional.

Mais 300 MW de energia solar instalados nos próximos meses

A informação foi dada em Addis Abeba, pelo ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, durante o 3º Fórum Africano de Negócios, que decorreu sob o lema “Investir no planeta e na prosperidade das pessoas, promovido pela Comissão Económica das Nações Unidas para África (UNECA), à margem da Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo da União Africana.

 


Nos próximos meses, de acordo com o ministro, vão ser instalados mais 300 megawatts de energia solar no país, o equivalente a um terço da capacidade da hidroeléctrica de Cambambe, o que, segundo João Baptista Borges, mostra a aposta que o país está a fazer na transição de energética, já que os custos são cada vez mais baixos e os preços mais competitivos.

 

 


Depois de assumir que a participação no fórum tem como objectivo colher experiência para acelerar os projectos em Angola, o ministro revelou que estão em curso instalações de parques solares em Benguela, Luena (Moxico), Saurimo (Lunda-Sul), Dundo e Lucapa (Lunda-Norte) e Bailundo (Huambo).

 


João Baptista Borges falou ainda do grande interesse de investidores nacionais e estrangeiros em desenvolver projectos de energia solar em Angola e citou casos como a recente assinatura do memorando entre a ENI e a Sonangol, para o desenvolvimento do parque solar do Caraculo (entre o Namibe e o Lubango), além do desejo manifestado pela petrolífera Total e que deve, proximamente, culminar na assinatura de um acordo.

 


“Temos muitos projectos em vias de serem concretizados e temos as companhias de petróleo que também estão, agora, voltadas para a produção de energias renováveis”, disse o ministro, sublinhando que há diversas entidades privadas a manifestar interesse e com as quais o Ministério tem estado a negociar projectos de produção independente de energia solar.

 


O ministro revelou ainda que o país está já a trabalhar com o “África 50”, organismo criado pela UNECA para promover projectos de energias renováveis, no sentido de expandir ainda mais a produção energética com energia solar e aumentar a sua penetração em áreas remotas, como Cuando Cubango, Cunene, Moxico e outras zonas distantes do litoral, onde a energia eléctrica é ainda mais escassa.

 


JA